Impressões sobre o debate da Cultura Digital e o Novo Velho Minc

Eu assisti. Confesso que merecia um texto mais aprofundado sobre as impressões, mas ando mesmo cansada dessa discussão. Valeria, com certeza, um texto sobre o jogo dos 7 erros do novo velho MinC.

Mas vamos ao debate que ocorreu dia 25/03 na FUNARTE entre representantes do MinC, o secretário executivo Vitor Ortiz, Sérgio Mamberti, Murilo e representantes da Cultura Digital e foi transmitida pela web.

Em suma, as falas dos nossos interlocutores foram muito qualificadas. Acho mesmo que foi uma aula que eles deram para o Vitor Ortiz e essa nova gestão tão afeita a obscurantismo. Foi uma consultoria de graça pro governo tamanha a qualidade das falas. Creio que o pessoal vai disponibilizar o vídeo do debate. Vale ouvir cada uma das intervenções. Isso tem que ser reverberado.

No entanto, o secretário executivo se abriu somente nos minutos finais do debate. E nesse momento é que mostrou o grande equivoco conceitual do MinC com relação ao Ecad e direitos autorais. Para ele a questão central é o papel do estado e que existem três modelos ou vias:

1. Modelo privado (o mercado se encarrega disso. Manutenção do Ecad)
2. Modelo estatizante (o estado gerenciando os direitos autorais)
3. Modelo Híbrido que junta os dois acima. (que é o que ele defende)
O Sergio Mamberti da SPC me pareceu mais direto quando falou que era favorável a mecanismos de transparência e controle ao Ecad. O discurso do Vitor foi vacilante, escorregadio. Por várias vezes esteve na defensiva e comentou sobre a suposta “demonização” que os movimentos tem feito com relação à ministra. A esse respeito, acho que eles não entenderam que a briga não é entre Ecad e Creative Commons. Uma vez que existem muitas outras licenças que sequer entraram na pauta nesse rolo compressor.

Tampouco a briga é só do cultura digital. Eles estão menosprezando que o debate já chegou a pessoas que não sabem nem que troço é cultura digital mas já entenderam o jogo e tem apoiado em peso. Precisamos mais disso: ganhar corações e mentes para essa causa.

Uma coisa que me incomoda também é que eles tentam desqualificar nossa fala dizendo que estamos defendendo interesses particulares. Pode até ter gente que perdeu suposto “prestigio” no novo MinC mas estes são minoria e acho bom que esse tipo de política tenha ficado no passado. Tinha que mudar mesmo. Mas daí a jogar tudo na mesma panela nos acusando de que a reclamação é pelo fato do Juca Ferreira ter sido preterido, é uma tremenda sacanagem. Temos que dizer que a população está reclamando, não só quem entrou na história do #ficajuca.

Outro ponto que considerei bastante polêmico no debate foi a defesa que ele (Vitor Ortiz) fez das praças do PAC. Falou que foi a idéia da Dilma e pouco há pra fazer já que a determinação veio de cima pra baixo e o processo tá em curso.
O ideal era que fosse cancelado esse projeto por seus inúmeros equívocos.

Dispensa comentar que as praças precisam ser urgentemente ser repensadas. No entanto, se o processo for inexorável, que participemos dele.

Ninguém discutiu a gestão, nem mesmo a edificação dessas praças. Seria uma boa hackear esse projeto. Propor, por exemplo, que seja utilizada a permacultura na edificação da tais praças. E que se obrigue as prefeituras a destinar uma verba X para manutenção. Se deixar frouxo, virarão elefantes brancos, já que a experiência que temos é que as prefeituras não cumprem com o prometido. Teria que dizer pras prefeituras: ou vocês cumprem ou não mandaremos verba pra vocês. Cortaremos o repasse.

E que a gestão seja da comunidade, que haja mecanismos de participação e controle dessa mesma comunidade no gerenciamento do equipamento. Que seja criado conselhos gestores. Que se envolva os fazedores de cultura, os Pontos, tuxauas etc. Acho que a bola pode voltar pra nossas mãos.

Do debate como um todo senti que o que está por tras disso são modelos de negócios camuflados em pequenas ações. Estamos disputando paradigmas. Concepção de economia da cultura que será pelo vies empresarias/industrial ou colaborativo como defendemos. É cultura livre ou cultura de mercado.

Há muitos equívocos, contradições na fala do novo MinC mas eles sabem muito bem o que estão defendendo. A ideia deles é focar na economia criativa pra impactar o PIB, para exportar. Vale dizer que o Secretário Executivo foi evasivo ao falar da reunião do MinC com o ministro de Comércio dos Estados Unidos ocorrida na visita de Obama ao Brasil. Segundo Ortiz, a pauta foi deles.

O Minc mais está parecendo uma empresa ainda na fase pre-capitalista. Uma visão de empresariado baseado em modelos conservadores. Eles nem pra perceber que o novo capitalismo tem usado de licenças fexiveis como estrategia de aumentar seus lucros. Em outras palavras, eles estão adotando modelos capitalistas atrasados. Nem pra ser um capitalismo mais moderninho…

Creio, portanto, que a discussão que devamos encampar é a defesa do paradigma da colaboração, da economia justa, da cultura livre em contraposição a economia mercadológica que privilegia a indústria intermediária. É isso que o novo velho minc defende.

Da discussão ficou uma frase que Ivana Bentes colocou: Nós somos MinC, O MinC é nosso.

Penso isso também. Não venham eles querer passar feito um trator em cima do que construimos nesses anos todos. Nós vamos espernear, sim. Achei linda a sintonia de nossos interlocutores. Teve momento de arrepiar. O que indica que estamos no caminho certo pq nossa luta é justa, é fundamentada. É legitima.
Resta translúcido – e creio que o secretário executivo levou esse recado – é que não vamos nos contentar como expectadores. Nós somos protagonista e queremos autonomia e definir os rumos da política pública de cultura no nosso país.

Cultura não pode virar um produto do capitalismo. Cultura não é commodities.
Para ler mais sobre o PAC: ”Ministério da Cultura: prioridade para investimentos em infraestrutura: http://is.gd/JX4FjZ

Para ler mais: Ӄ o digital, ministra!: http://is.gd/y1dvja

@andreasaraiva

Anúncios

Sobre andreasaraiva

Sou cearense e vivo no mundo. Curiosa, língua afiada e doida por cerveja com caranguejo...

Publicado em novembro 7, 2011, em 1, Geral. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Dê seu pitaco...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: